RSS   Redes Sociais   Facebook

2011—2017 © Lusocom

Todos os direitos reservados

Em memória de Paquete de Oliveira

A presidente da Lusocom, Margarita Ledo-Andión, e a comissão organizadora do XII Congresso da Lusocom // III  Congresso da Mediacom manifestam profundo pesar pela morte de José Manuel Paquete de Oliveira, que foi presidente da federação lusófona entre 2002 e 2006. Professor aposentado do ISCTE-IUL, Paquete de Oliveira foi um dos pioneiros das ...

Lusocom 2016

Realiza-se em Cabo Verde, de 19 a 21 de outubro, o XII Congresso da Lusocom. O tema desta edição é a Cibercultura, Regulação Mediática e Cooperação. A chamada para apresentação de propostas de trabalho decorre até ao dia 15 de maio.

Anuário Internacional de Comunicação Lusófona 2014

Está aberto o período de envio de propostas para a edição deste ano do Anuário Internacional de Comunicação Lusófona. “Cartografias da Investigação Lusófona” é o tema central desta edição, ainda que, como em edições anteriores, ...

Anais do XI Congreso Lusocom - Tomo 1
Margarita Ledo Andión; Emma Torres Romay; José Rúas Araújo; Francisco Campos Freire
2016
O LUSOCOM 2014 foi pensado como fórum de debate para conhecer a realidade e a evolução das chamadas “Marca‐Território” que, como outra marca qualquer, se define através da língua, da cultura e, de modo sobranceiro, da comunicação. O espaço  que, em sentido alargado, identificamos como “Galiza e países lusófonos”, singulariza-se por ser um cenário em que a partilha de línguas de pertença ao mesmo sistema propicia o intercâmbio de conhecimento e de bens. Neste contexto, jogamos com a hipótese de que a construção da “Marca Território” traria uma oportunidade de grande interesse. As diferentes e numerosas achegas que se recolhem nestes Anais são prova de um processo em andamento que terá continuidade em Cabo Verde, no LUSOCOM 2016
Anais do XI Congreso Lusocom - Tomo 2
Margarita Ledo Andión; Emma Torres Romay; José Rúas Araújo; Francisco Campos Freire
2016
O LUSOCOM 2014 foi pensado como fórum de debate para conhecer a realidade e a evolução das chamadas “Marca‐Território” que, como outra marca qualquer, se define através da língua, da cultura e, de modo sobranceiro, da comunicação. O espaço  que, em sentido alargado, identificamos como “Galiza e países lusófonos”, singulariza-se por ser um cenário em que a partilha de línguas de pertença ao mesmo sistema propicia o intercâmbio de conhecimento e de bens. Neste contexto, jogamos com a hipótese de que a construção da “Marca Território” traria uma oportunidade de grande interesse. As diferentes e numerosas achegas que se recolhem nestes Anais são prova de um processo em andamento que terá continuidade em Cabo Verde, no LUSOCOM 2016
Lusofonia e interculturalidade - promessa e travessia
Moisés de Lemos Martins
2015
[Excerto da nota introdutória]

No atual contexto da globalização, que é uma realidade de cariz eminentemente económico-financeiro, comandada pelas tecnologias da informação, esta obra interroga o sentido das narrativas (literárias e mediáticas, e também das narrativas de histórias de vida) sobre a construção de uma comunidade geocultural transnacional e transcontinental lusófona. Interroga, igualmente, as políticas da língua e da comunicação como debate simbólico pela afirmação de uma comunidade plural, na diversidade de povos e culturas lusófonas. E interroga, ainda, a complexidade do movimento de interpenetração das culturas, o qual, com gradações diversas, que compreendem o colonialismo, neocolonialismo, pós-colonialismo, na relação entre os povos, traduz o encontro, a assimilação e a dominação, na interação entre nós e o outro.
Interfaces da Lusofonia
Moisés de Lemos Martins; Rosa Cabecinhas; Lurdes Macedo; Isabel Macedo
2014
[Excerto da nota introdutória do livro]

Os debates sobre a Lusofonia têm vindo a focalizar-se em alguns conteúdos difusos e dispersos, ora privilegiando a língua, ora a interação no domínio cultural, ora ainda dando relevo a uma matriz pós-colonial que permite olhar criticamente o conceito. Estes debates produzem importantes centralidades analíticas, tendendo porém a autoexcluirem-se mutuamente. Contribuem, para este “estado da arte”, o peso das fronteiras científicas e das diferentes tradições disciplinares, fatores que têm o efeito indesejável de parcializar e fragmentar um objeto que ganharia em ser visto de forma integrada.

Anuário Internacional de Comunicação Lusófona 2014: A construción da(s) identidade(s) a través da comunicación
Margarita Ledo Andión; Xosé López; Maria Salgueiro
2014
A investigación lusófona en Comunicación conquista novos espazos. Esta nova edición do Anuário recolle, baixo o prisma dunha aproximación ás cartografias da investigación lusófona, un coxunto de achegas que reflicten o pregresivo dinamismo que caracteriza o traballo de equipas consolidadas de investigación nos diferentes países. Exemplos disto son, por un lado, unha pesquisa bibliográfica centrada en analizar como a comunidade científica tem representado a produción de saberes na temática da lusofonia. E por outro lado, unha investigación centrada na constitución dunha cartografia vencellada á Comunicación, ao Turismo e ás súas transversalidades.
O resultado das investigacións recollidas nesta edición amosa visións panorâmicas tanto dos diferentes soportes como dalgunha das cuestións centrais dos procesos comunicativos nas sociedades actuais. A diversidade de enfoques e as achegas por parte de investigadores dos diferentes países constitúen sintomas do bo momento da investigación lusófona, que non só multiplica cuantitativamente a súa produción senón tamén no campo da calidade.
Anuário Internacional de Comunicação Lusófona 2013: Comunicación na diáspora e diásporas na comunicación
Margarita Ledo; Xosé López e María Salgueiro
2013

Unha efeméride singular ábrelle a porta a esta nova edición do Anuário: o recoñecemento institucional do galego como única língua propiá de Galiza, que foi condición para a Lei de Normalización Lingüística de 1983 e que, num volume que se artella a redor da diáspora, vén a conto para sermos conscientes das diferenzas, dos contextos históricos, do valor non so de uso como de representación deste axente fulcral na definición do espazo lusófono. De falarmos dendê a comunicación, a língua son os obxectos e é o pensamente que se expressa en determinada língua, - para o caso, nas variantes do português e do galego-, e como advertia no Coloquio internacional sobre a lingua portuguesa na diáspora, celebrado em 2012 na cidade de Praia, a professora da Universidade Federal da Bahía, Edelinde Mendes, a lingua é herdanza [e é construción] cultural e identitaria e temos, xa que logo, a capacidade e o deber de axir a través dela.